Skip to Content

102. viajar para um lugar qualquer

Primeiro eu pedi para ser desafiada, e minha amiga Bih quis me mandar para algum lugar aleatório. Eu estava na Itália, então essa ideia foi muito oportuna. Queria conhecer o país mas não sabia pra onde ir. Lembro que o ser humano fica paralisado diante de muitas opções, e era assim que eu estava me sentindo. Algumas semanas antes disso, eu tinha entrado em um ônibus desconhecido para fazer um tour surpresa, mas era um ônibus de linha e só passou pelos vilarejos da vizinhança.

 

 

 

Eu não estava com transporte próprio. Para chegar lá e voltar peguei um ônibus, depois um trem, depois outro trem e outro ônibus, depois ônibus de novo depois trem e mais um trem e por fim um ônibus.
Mas me programei, saí de casa às 5 da manhã!

 

 

 

 

43°37’59.3″N 11°10’34.7”E  fica a 342km de distância de onde eu estava. O google dizia 6 horas de viagem. Perfeito. Além da combinação de números que forma as coordenadas para o lugar, eu só tinha mais uma informação – existe um site que separou o mundo inteiro em 57 trilhões de quadrados de 3x3m, cada um identificado por três palavras. O meu lugar é termine.docemente.fronhas .

 

 

Primeiro cheguei em Florença, a maior cidade perto do Lugar. Dei uma descansada, tomei um café, visitei o museu das invenções do Leonardo da Vinci e fui para a rodoviária. Quando tentei comprar a passagem, um problema: “qual o nome da cidade para onde você quer ir?” Eu não sei. Na verdade nem é uma cidade, é um lugar no meio do nada. Mostrei o Lugar marcado no google maps na tela do meu celular. O homem no guiche riu.  Dei um zoom out e comprei passagem para a próxima cidade, torcendo para o ônibus passar o mais perto possível do Lugar.

 

 

43°37’59.3″N 11°10’34.7”E

 

O ônibus fez um caminho lindo, passou por montanhas que me lembraram a serra do Rio Grande do Sul, mas com uma floresta desbotada européia no lugar do verde brasileiro. A cada km a paisagem ficava menos urbana. E quando estávamos quase chegando, pedi pro motorista parar e me largar. Ele parou, e eu desci aqui:

 

 

Parece lugar nenhum, mas na verdade era exatamente onde eu queria estar. Ou era as duas coisas ao mesmo tempo, porque definitivamente era o meio do nada.
Segui por uma estrada vazia, por uns carros estacionados e umas fábricas e casas, e finalmente cheguei no Lugar.

 

E ele é lindo demais.

 

Vista de um dos lados de 43°37’59.3″N 11°10’34.7”E

 

Vista do outro lado de 43°37’59.3″N 11°10’34.7”E

 

Desci rapidamente, sentei na borda do rio e, claro, molhei os pés na água. Só consegui aguentar menos de um minuto com os pés lá dentro, porque estava muito frio. Fiquei lá por um tempo escutando o rio, vi dois peixes pularem.

 

 

 

Em nenhum momento da viagem eu questionei o porquê da escolha desse exato lugar. O motivo de eu estar viajando 342km na direção dessa combinação de números e não de qualquer outra, era irrelevante. Chegar em 43°37’59.3″N 11°10’34.7”E e ficar lá naquele lugar lindo que era a minha coordenada na Itália, foi muito especial.

 

1 Comentário

  1. Valentina disse:

    Simplesmente amei. Tudo, o desafio, a jornada, o relato. Adoro o que tu escreve, Carol!

Deixe o seu comentário!


Cancelar Resposta